Jean-Pierre Denis fala sobre visita ao Brasil

Jean-Pierre Denis fala sobre visita ao Brasil

A produção cinematográfica francesa tem se apresentado em grande estilo pelo mundo afora e alcançado recordes de bilheteria. Apenas no ano passado foram produzidos 272 longas-metragens e alcançados mais de 200 milhões de espectadores na França. Durante o Festival Varilux de Cinema Francês, o diretor francês Jean-Pierre Denis concedeu uma entrevista exclusiva para mim, sobre sua visita ao Brasil e seus mais de 20 anos de carreira.

Jean-Pierre esteve presente no evento para promover o seu sétimo longa-metragem, Aqui embaixo (Ici-bas), sobre as perturbações e dúvidas de uma noviça entre o amor a Cristo ou a um homem comum, em 1943, no período da Segunda Guerra Mundial. Durante nove dias, o festival apresentou 17 filmes, lançados entre 2011 e 2012 na França, entre os quais se destacaram Adeus Berthe, Paris-Mahattan, A Filha do Pai, Uma Garrafa no Mar de Gaza e o fenômeno Intocáveis.

Em 2012, o festival atraiu mais de 70 mil espectadores em 32 cidades brasileiras participantes do circuito. Conheça um pouco mais sobre o atual cenário do cinema francês na entrevista abaixo.

Centro do Cinema: Você pode nos contar sobre sua experiência de estar pela primeira vez no Brasil?

Jean-Pierre Denis: Até o momento eu só vi duas projeções, uma aqui [no Rio de Janeiro] e outra em São Paulo, mas uma coisa muito boa que percebi é que não importa o país ou o lugar, o público sempre tem muitas coisas em comum.

Os meus filmes falam sobre a cultura de determinados lugares, de pessoas que pertencem a um território, mas no final todos acabam se identificando. Eu constatei isso quando lancei o meu primeiro filme, sobre a vida rural, em outros países. As pessoas compartilhavam as mesmas histórias que eu acreditava que só existisse na minha cultura. Então, vejo que o Brasil também tem bastante coisa em comum com a nossa cultura.

Centro do Cinema: Você tem vontade de filmar em outro país, por exemplo, o Brasil?

Jean-Pierre Denis: Claro que eu poderia filmar em outro país, mas apenas se a história me levar para este lugar. Se a cultura me instigar a contar uma história sobre o local, por que não?

Centro do Cinema: Você conhece a cultura brasileira?

Jean-Pierre Denis: Superficialmente. Conheço algumas coisas, como o cinema, alguns filmes de Glauber Rocha e também algumas produções da América do Sul. Eu gosto da característica dessas produções, que expõem a sua cultura e a morte de forma muito bem trabalhada. Esses países produzem algo diferente do cinema burguês, passam mais realidade. Também gosto do cinema italiano da época dos irmãos Taviani, como Padre Padrone [Pai Patrão, 1977].

Centro do Cinema: O que você gosta de mostrar nos seus filmes?

Jean-Pierre Denis: Me interessa muito trabalhar com histórias do mundo campesino. Virei cineasta quase que por acaso, porque o que eu mais gostava de fazer mesmo era escrever crônicas sobre o mundo rural. Foi assim que acabei fazendo cinema, para questionar de onde somos, para onde vamos, o que construímos, os nossos antepassados e contar as histórias das pessoas.

Centro do Cinema: Você gosta de contar histórias relacionadas à cultura do seu país, como o Brasil mostra as favelas nos seus filmes?

Jean-Pierre Denis: Sim, podemos dizer que sim. Gosto de contar histórias em que podemos compreender como é a vida de cada pessoa.

Veja o trailer de Aqui Embaixo, com previsão de estreia para 2013.

Share this: