Filmes e Carreia | Clint Eastwood

Filmes e Carreia | Clint Eastwood

Clinton “Clint” Eastwood Jr. nasceu no dia 31 de maio de 1930, em São Francisco, na Califórnia, nos Estados Unidos. O futuro cineasta é fruto do amor entre Margaret Ruth e o operário metalúrgico Clinton Eastwood. Sua família era de classe média e protestante, assim, o menino seguiu os passos do seu progenitor, trabalhando em diversos empregos, desde frentista de postos de gasolina até bombeiro.

Sua infância e juventude não foram fáceis por causa do período da Grande Depressão Americana. Em 1949, no entanto, o jovem californiano realizou o sonho de se formar na Universidade de Oakland. Após o término da faculdade, Clint ainda teve alguns subempregos e chegou a tocar piano num de Oakland, até ser convocado às Forças Armadas, em 1950.

Contudo, o avião que o levava sofreu um acidente e Clint conseguiu escapar gravemente ferido. Por conta da investigação sobre a queda, o futuro astro não foi mandado para a Guerra da Coreia. Algum tempo depois, Eastwood começou a sua carreira de ator com aparições em produções pequenas, como A Revanche do Mostro (1955), Tarântula (1955) e Francis in the Navy (1955).

Três anos depois, o ator conseguiu seu primeiro papel oficial em Ambush at Cimarron Pass, o qual Clint alega ser o seu pior filme. No ano seguinte, ele trabalhou com James Garder na TV e por muito tempo seguiu como ator de seriados televisivos, principalmente em Rawhide, grande sucesso nos anos de 1950 e 60.

O destaque na carreira veio após interpretar o misterioso homem sem nome na trilogia westerns-spaghettis de Sergio Leone. Os filmes Por um punhado de dólares (1964), Por uns dólares a mais (1965) e Três Homens em Conflito (1966) se tornaram um sucesso mundial e o fez conhecido por todo o planeta.

O seu trabalho apareceu ainda mais com o longa de Don Siegel, na pele do inspetor policial Harry Callahan, em Dirty Harry (1971). O personagem amargo e mal-humorado originou lucrativas sequência, como Magnum 44 (1973), Sem Medo da Morte (1976), Impacto Fulminante (1983) e Dirty Harry na Lista Negra (1988).

Pouco antes de dar seguimento a franquia do inspetor policial, em 1971, Eastwood já era uma estrela de Hollywood e resolveu montar sua companhia de filmes e dirigir suas próprias obras. A primeira foi Perversa Paixão (1971), sobre um popular radialista que passa a ser atormentado por uma fã obcecada. Naquela época, ninguém imaginava que Clint Eastwood se tornaria um dos mais fascinantes diretores do cinema contemporâneo.

O cineasta aprendeu a linguagem cinematográfica observando os diretores em ação, principalmente Don Siegel e Sergio Leone, tanto que em sua obra-prima Os Imperdoáveis (1992), ao final dos créditos há uma dedicatória a Leone e Sigel como seus mestres. Com esse filme, Eastwood teve um imenso sucesso de bilheteria e foi nomeado a nove categorias do Oscar, ganhou quatro, incluindo os de Melhor Filme e Melhor Diretor.

Na década de 1990, o ator obteve outros sucessos como a adaptação literária As Pontes de Madison, em que estrelou ao lado de Meryl Streep. Com fama de conquistador implacável, Eastwood foi amante das mais lindas mulheres de Hollywood, no entanto, poucas pessoas sabiam dos seus relacionamentos. Sempre reservado, o ator nunca conseguiu manter muitos amigos.

Já consagrado, Clint estrelou, produziu e dirigiu Menina de Ouro (2004) e conquistou quatro Oscars, incluindo Melhor Diretor e Melhor Filme, novamente. Em 2006, dirigiu duas obras sobre a batalha de Iow Jima na Segunda Guerra Mundial, A Conquista da Honra e Cartas a Iwo Jima, ambas as produções foram indicadas ao Oscar.

Ano passado, o jornalista Marc Eliot lançou a biografia do astro de Hollywood, Clint Eastwood – Nada Censurado, em celebração aos seus 82 anos. O livro revela detalhes do tempo em que o artista era salva-vidas até a produção de Gran Torino (2008).

Seu último trabalho, Curvas da Vida (2012), foi criticado pela mídia, no entanto, o cineasta declarou no Festival de Tribeca, que desejava chegar aos 105 anos fazendo filmes. Portanto, muitas produções virão, as últimas foram Jersey Boys (2014) e Sniper Americano (2014), ambas na direção. 

Três filmes imperdíveis desse grande ator e diretor

Os Imperdoáveis (Unforgiven, 1992)

Neste clássico e premiado longa, Clint dirige e interpreta Bill Munny, um pistoleiro aposentado, que volta à ativa pela recompensa de US$ 1 mil para matar dois homens que cortaram o rosto de uma prostituta. Para isto, ele precisa confrontar outro caçador de recompensas (Richard Harris) e o xerife da cidade (Gene Hackman). Com um belíssimo visual, Os Imperdoáveis transmite valores de amizade, honra e honestidade, encantando os espectadores.

As Pontes de Madison (The Bridges of Madison County, 1995)

Novamente na direção e em frente às câmeras, Clint Eastwood emociona os corações mais frágeis com a história de amor de Francesca Johnson (Meryl Streep) e Robert Kincaid (Eastwood). Após a morte de Francesca, seus filhos descobrem, através de cartas da mãe, um forte envolvimento que ela teve com um fotógrafo da Nacional Geographic, quando a família se ausentou por quatro dias de casa. A revelação faz os filhos questionarem os próprios casamentos, e o público também.

http://www.youtube.com/watch?v=_bXG1KBHqj0

Menina de Ouro (Million Dollar Baby, 2004)

Mais uma vez premiado com o Oscar de Melhor Diretor, Eastwood traz para o público uma história emocionante de determinação e coragem. A trama acompanha o relacionamento do amargurado Frankie Dunn (Eastwood), treinador de grandes boxeadores, e Maggie Fitzgerald (Hilary Swank), uma jovem determinada a lutar boxe. Ela deseja que Frankie a treine, mas ele rejeita. Maggie, no entanto, não desiste até ele aceitar ser seu treinador.

Share this: