Crítica | Ponte Aérea

Crítica | Ponte Aérea

Aprecio bastante o gênero romance e confesso que sou uma inveterada por histórias de amor. Além disso, acredito que por mais que a lógica seja a mesma – garoto conhece garota e se apaixona –, o enredo pode ser contado de mais de quinhentas formas fascinantes e totalmente distintas. Pois são as escolhas narrativas deste argumento que fazem alguns projetos darem certos e outros não.
Dirigido pela carioca Julia Rezende (Meu Passado Me Condena), Ponte Aérea já carrega a pretensão de ser inspirado na obra Amor Líquido, do sociólogo polonês Zygmunt Bauman. Se você, pelo menos, leu a sinopse do livro sabe que se trata de uma reflexão sobre como os relacionamentos amorosos e sociais estão se dissolvendo na contemporaneidade e sendo sufocados pela tecnologia.
Portanto, o romance seria uma grande metáfora para discutir os relacionamentos entre os jovens brasileiros. Nas primeiras cenas, a gente até percebe uma tentativa de embalar esta filosofia sobre o imediatismo e o descomprometimento por meio do desapego e as redes sociais. A incumbência para retratar o assunto é dos personagens Bruno (Caio Blat) e Amanda (Leticia Colin), que se conhecem durante um pouso de emergência em Belo Horizonte e passam uma noite juntos.

ponteAerea2

Letícia Colin está extremamente segura com uma jovem independente e autoconfiante, assim como Caio Blat consegue ser sensível e sedutor. O casal foi muito bem selecionado e o envolvimento entre os dois bem construído. O pecado começa quando o namoro entre a paulista metódica workaholic e o carioca maconheiro despojado apresenta seus clichês mais óbvios entre os moradores de cada cidade.
As personalidades são bem trabalhadas e gosto muito da imagem da mulher moderna e determina transmitida por Amanda, mas esqueceram do seu background. Ela apenas se torna uma publicitária bem sucedida, enquanto Bruno vive numa confusão de sentimentos com a morte do pai e a descoberta de um irmão menor, que acaba se tornando sua responsabilidade, e tenta transformar sua arte em mais do que um modo de expressão. O romance inicialmente sem importância se torna um pontapé na vida de Bruno, mas não fica claro o impacto na de Amanda.
A distância geográfica pondera como a tecnologia pode auxiliar a relação, mas ela está longe de ser um meio para sua sobrevivência. A ideia de discutir esta questão me agrada, mas ela fica muito superficial e durante muito tempo as diferenças entre Rio de Janeiro e São Paulo se intrometem em um enredo que seria ótimo sem a lengalenga do senso comum.
É muito bom ver o cinema nacional sair da linguagem televisiva e ir além das comédias para públicos medianos, no entanto, não posso ignorar que a produção deixa furos de continuidade e possui diálogos razoáveis para tentar explicar seus conflitos. Ás vezes, vale recorrer a máxima “uma imagem vale mais do que mil palavras”. Apesar dos deslizes, a direção é segura e ressalta ótimos planos, como uma importantíssima cena de sexo.

ponteAerea1

Ponte Aérea perde muito tempo no campo das analogias rasas, portanto, quando tenta explorar um nível mais acima, como colapsos, distúrbios e obsessões, ou mostrar como as nossas emoções e sentimentos são sustentados por um fio ténue, o espectador sente um desconforto. Por um lado, é um bom resultado, pois, representa a sensação da personagem Amanda, por outro,  não a mostra lidando com isso, o que se transforma em um engano para o público.
Como o filme todo trabalha para a construção de um relacionamento líquido e seu desfalecimento era de se esperar um questionamento sobre o caso. A não ser que o objetivo fosse outro, como, por exemplo, criar uma dicotomia frívola entre paulistas e cariocas, que não valeria um longa-metragem. Ou ainda, sobre namoro à distância, mas seria uma curta abordagem em universo muito mais complexo.
Simpatizo com o final, entretanto, parece um atalho para não aprofundar uma discussão e deixar questionamentos velados. O casal é bom, se você gosta do gênero romance, vale a pena acompanhar a performance deles e se perguntar qual o ingrediente que faltou para comida ser apetitosa. Mas veja também os nacionais Malu de Bicicleta (2011) e Apenas o Fim (2008).

Nota: 3,5

Share this: